19/01/2017

VERMINOSES EM CÃES E GATOS - TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER!

 

Imagine um problema que pode estar oculto no organismo do seu animalzinho, e que vem causando uma série de sintomas debilitantes como perda de peso, indisposição, anemia, fraqueza, vômitos, diarreia e pelagem opaca. Um dos possíveis motivos desse “problemão” todo é o parasitismo por vermes. E para piorar existe uma grande variedade que pode atingir cães e gatos.

 

De acordo com a Médica Veterinária Alessandra Taroda, Doutora em Parasitologia, do Departamento Técnico da Venco Saúde Animal, “os helmintos intestinais mais comuns em cães são o Toxocara canis, Ancylostoma caninum, Strongyloides stercoralis, Uncinaria sp., Trichuris vulpis e o Dipylidium caninum (tênia dos cães). Enquanto nos gatos, temos o Toxocara cati, Toxascaris leonina, Ancylostoma tubaeforme e Dipylidium caninum. Toxocara e Toxascaris são popularmente conhecidos como “lombriga” de cães e gatos”. E apesar desses nomes “estranhos”, as verminoses são um problema muito comum.



COMO OCORRE A TRANSMISSÃO?
1. Por via oro fecal através da ingestão de ovos ou larvas presentes no ambiente contaminado;
2. Através da penetração da pele (via percutânea);
3. Pela ingestão de hospedeiros intermediários, como pulgas, por exemplo.
4. Transmissão da mãe para os filhotes durante a gestação ou amamentação.

 

Com tantas formas de transmissão é comum que com poucos dias de vida, os animais já apresentem parasitoses intestinais. “Muitas pessoas procuram o Médico Veterinário ao adquirir um filhote “barrigudo” ou porque viram estas lombrigas saindo do animal.
Tanto o Toxocara quanto o Ancylostoma podem passar da cadela para os filhotes, durante a gestação (através da placenta) ou a amamentação (através do leite). Eles podem ter adquirido da mãe que não foi vermifugada antes e durante a gestação, e acaba passando a verminose para os filhotes, não só pelo contato com o ambiente, quintal ou com outros animais. E como são filhotes, todo cuidado é necessário e muito importante, pois uma “simples” verminose, pode causar a morte deles.”, alerta Taroda.


QUAIS SÃO OS SINTOMAS DE VERMES EM CÃES E GATOS?
Alguns pets têm graves sintomas, outros, porém, são assintomáticos. Isso varia de acordo com a idade do hospedeiro, grau de imunidade, tipo de parasita e grau de infestação. Se perceber qualquer destes sintomas relatados abaixo, procure o Veterinário.
• Digestão comprometida;
• Falta de apetite e perda de peso;
• Fraqueza;
• Pelos eriçados e sem brilho;
• Aumento de volume abdominal (barriga inchada);
• Dor abdominal;
• Vômitos e diarreia;
• Visualização nas fezes de algo semelhante a “fios de macarrão” ou “grãos de arroz”;
• Animais que andam arrastados ou sentados, em decorrência de prurido (coceira) na região perianal.

 

COMO DEVO TRATAR?
Muitos anti-helmínticos estão disponíveis no mercado e devem ter suas recomendações a partir de um profissional, que indicará o melhor princípio ativo para cada animal. Dentre os mais utilizados estão Mebendazol, Febendazol, Praziquantel, Febantel e Ivermectina.
O mebendazol é um vermífugo que, se utilizado na dose terapêutica correta, é muito seguro para os filhotes, pois atua especificamente nos vermes, tanto adultos quantos larvas, causando a paralisia, a morte por falta de energia e a inibição da produção de ovos. Assim, sem forças e sem ovos para se tornarem futuras larvas e adultos, o animal fica livre dos vermes intestinais.
“No caso do mebendazol, o filhote ou a ninhada toda deve receber o vermífugo uma vez por dia, por 5 dias consecutivos. O Médico Veterinário pode prescrever a repetição do vermífugo após 7, 15 dias e 30 dias. E devemos lembrar que os filhotes nesses 15-20 dias, vão crescer, principalmente os de raças grandes e gigantes. Nestes casos, os animais sempre devem ser pesados novamente para ajustar a dose, senão ela ficará abaixo do que é necessário e não funcionará como deveria!”, afirma a Dra. Alessandra.
O medicamento Puppy Action da Venco é a base de Mebendazol, seguro para filhotes e indicado para um amplo espectro de parasitas. Conheça o produto, clicando aqui.

 

 

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES:

Posso dar vermífugos para filhotes?
Esta é uma dúvida muito comum entre os tutores de cães e gatos, afinal, existe um grande receio pelo fato dos animais serem ainda muito novinhos. Nesses casos, o ideal é que o Veterinário estabeleça a idade e qual medicamento deve ser utilizado. O Puppy Action possui recomendação a partir de 15 a 21 dias de vida.

 

Posso dar vermífugos para cadelas e gatas gestantes?
Depende da composição de cada vermífugo, alguns são indicados, outros não. Segundo a Dra. Alessandra, como a fêmea está numa condição especial, o Médico Veterinário deve ser consultado para receitar um vermífugo que ela possa tomar, sem causar problemas durante a gestação, tanto para ela quanto para os filhotes que estão por vir!

 

De quanto em quanto tempo devo vermifugar o meu animal?
Essa recomendação varia dependendo do ambiente e estilo de vida do animal. Essa determinação fica, portanto, a critério do Médico Veterinário. Entretanto, de forma geral, os animais devem ser desverminados a cada 4 ou 6 meses, com reforços.

 

Existe algum risco do humano se contaminar com vermes de animais?
Sim, algumas são consideradas zoonoses, ou seja, doenças naturalmente transmitidas do animal para o homem. Como exemplo, podemos citar:
Toxocara canis: Causa a Larva Migrans Visceral;
Ancylostoma caninum: Causa a Larva Migrans Cutânea ou o famoso "Bicho geográfico";
Dipylidium caninum: Causa a Dipilidiose;
• Giardia sp: Causa a Giardíase.

 

Posso usar o Puppy Action para cães e gatos?
O Puppy Action tem indicação apenas para cães. Entretanto, o uso de mebendazole também é relatado em felinos. Consulte o Veterinário para maiores informações.

 

O Puppy Action é bem aceito pelos animais?
Sim, ele é um medicamento palatável, bem aceito pelos cães e na forma de suspensão líquida facilita o uso (o medicamento já vem com seringa própria para administração).

 

Como prevenir vermes?
Esta é a questão-chave. Sempre que possível, devemos apostar na medicina preventiva, onde uma visita periódica ao Veterinário com exames, incluindo os de fezes, certificarão que os pets estão com a saúde em dia. Além disso, alguns cuidados básicos são essenciais:
• Limpeza e desinfecção do ambiente;
• Correta destinação de fezes;
• Controle de pulgas;
• Higienização de comedouros e bebedouros com frequência;
• Desverminação periódica, de acordo com as recomendações do Veterinário.

 

Gostou dessa matéria? Compartilhe com seus amigos e comente sua experiência sobre o assunto.

 

*Consulte sempre o Médico Veterinário.